Incluir audiodescrição pode parecer simples, mas requer sensibilidade.

Audiodescrição é o meio de contar uma história no formato audiovisual para uma pessoa com deficiência visual. Uma locução é inserida, descrevendo cenas e colaborando para o entendimento da história, evitando sobrepor diálogos ou interferir nos efeitos sonoros e musicais e eventualmente é ligeiramente adiantada ou atrasada em relação a cena. É a imagem pelo som… Ver com os ouvidos.   

Além da técnica, um bom roteiro de audiodescrição exige sensibilidade.  A narração deve ser fluida e não monótona e sem vida. Por exemplo, em um filme infantil, uma locução mais lúdica provavelmente vai colaborar com o universo do filme. O locutor deve levar em conta o tipo do filme e andar junto com a linguagem que o diretor deu às imagens, sem comprometer seu fluxo.

A Linguagem Cinematográfica na Audiodescrição

O que determina a linguagem é a poética e à estética do produto audiovisual. O ideal é  buscar um léxico variado e ser simples, objetiva, sucinta, porém vivida e imaginativa.

É importante o uso de adjetivos descritivos e devem expressar estados de humor e de emoções sem subjetividade por parte do audiodescritor. Da mesma forma com advérbios, ex.: “balança os ombros com desdém.”

Cores têm significado sociocultural,

são símbolos, convenções e

compõem um sistema de códigos.  

Também é recomendável que cores sejam referidas, muitas pessoas com deficiência visual têm ou já tiveram visão útil e mesmo pessoas com cegueira congênita atribuem significado para cores.

Verbos devem indicar ações e serem específicos ex: saltitar, pular, saltar… E o tempo recomendado é o presente do indicativo, buscando expressar o fato no momento em que acontece.

Evite frases complexas, linguagem rebuscada ou mesmo gírias e termos chulos. O ideal são orações coordenadas.

Conhecer a

linguagem cinematográfica

é fundamental!

É de extrema importância saber funções na narrativa; fenômenos sonoros, construção das imagens, iluminação, pontos de vista, planos e enquadramentos. Não é o momento de aprofundarmos, mas vale citar um exemplo, como o GPG ( grande plano geral ), que enquadra uma grande área de ação, normalmente é captado a distância e mostra o ambiente de maneira ampla, apresentando o local onde a história acontece naquele momento. Em geral abre um filme ou é usado para um corte. Neste caso, o audiodescritor deve descrever o ambiente, situar o espectador. Ex: grande cidade, com muitas edificações, arborizada e céu nublado.

Enfim, audiodescrição é uma arte que tem sua técnica e envolve empatia e muita sensibilidade. Nós da SONA, somos apaixonados pela ideia de contar uma história, possibilitando ‘ver com os ouvidos’.

Há muito mais para falar sobre e estamos prontos para receber sua dúvida, dica e também disponíveis para orçamentos.

E-mail

Temos experiência na produção, com 100% de aprovação na ANCINE em audiodescrição para documentários.

Deixe uma resposta